Todos os casos, segundo o Universo e a Ciência

akakin
MensagensCOLON 1
Registrado emCOLON 27 Out 2020, 17:17

Todos os casos, segundo o Universo e a Ciência

Mensagem por akakin »

Primeiramente, quero "filtrar" os leitores. Considerando que a maioria no Brasil é Cristã, então afirmo que este post será direcionado para os Não Cristãos, pois o Cristianismo PROIBE o aborto. E sim, meu amigo, sabemos que existem várias situações de aborto (e todas são estudadas). Mas não tem conversa, repito: É PROIBIDO, ACEITE.
Não se participa de uma coisa sabendo que o que você apoia é proibido lá. E muito menos se tenta mudar isso ou espalhar mentiras dizendo o oposto. Se adeque. Se não concorda, respeite e procure uma em que você se encaixa (ou crie uma para você).

Agora, se você está continuando a leitura, ou você é um Não Cristão, ou é um hipócrita teimoso. Tanto faz, vamos lá:
Não vou apenas opinar, vou, também, trazer um dado científico sobre o assunto.


1) TODOS OS CASOS
A vida começa na fecundação.
Fontes: Medical Embryology, Jan Langman
Essentials of Human Embryology, Keith Moore
A role for the elongator complex in zygotic paternal genome demethylation, Yukinori Okada
The Developing Human: Clinically Oriented Embryology, Keith Moore, TVN Persaud e Mark Torchia

Esses são só alguns autores, mas essa afirmação é um consenso científico mundial. Não há controvérsias.

Quem passou pelo ensino médio sabe que a fecundação de um mamífero começa quando a célula gamética masculina (espermatozoide) se une à célula feminina (óvulo). Logo, qualquer ação que seja feita contra este sistema, já é uma ação feita contra um ser humano vivo. Pura lógica, entende?
Se você aborta um humano, você tira a vida de um humano. E não é lícito tirar uma vida humana inocente.
Alguns teimosos gostam de ignorar este fato e substituem por outra situação, para, então, refutar essa situação inventada. O que lembra a conhecida Falácia Argumentativa do Espantalho.
Por exemplo:
a) "Ahh, mas então o homem que se masturba está matando milhões".
Não, não está. A vida começa na fecundação, não na ejaculação. O espermatozoide não é um embrião fecundado.
b) "Não vejo pessoas que são contra o aborto protestarem contra clínicas de fecundação in vitro/inseminação artificial".
E daí? O "não protesto" contra uma coisa errada não torna a outra correta. O assunto é aborto. Se for assim, ninguém pode protestar contra nada, porque teria que protestar contra todas as coisas ruins existentes no universo para ser válido.
c) "Quem é contra o aborto, geralmente é a favor da pena de morte". Mais uma mudança de assunto. A pessoa que pensa assim está limitando o argumento dela a uma opinião do acusado sobre outro assunto. E, ainda assim, ela pode ser instantaneamente refutada simplesmente por discutir com uma pessoa que seja contra as duas situações.
d) Outras situações são pessoas que falam em quem não adota, em quem não faz caridade, dizem "você é pró-nascimento, não pró-vida"... Acho que vocês já entenderam e não preciso perder tempo explicando o restante.

Eu poderia dar a discussão como encerrada aqui. Pois não há mais nada que vá de encontro à ciência e à natureza. O universo é assim, só resta aceitar (ou crie um para você).

Mas vou dar essa satisfação e vou continuar concisa e claramente com alguns dos assuntos mais polêmicos...


2) CASOS DE ESTUPRO
Vou começar perguntando: qual culpa o bebê tem para ser punido? O único culpado é o estuprador e ele tem que pagar por isso. Infelizmente, ele cometeu um crime que vai resultar em sequelas muito graves e incomuns.
O que se deve fazer, para isso, é enrijecer a pena e não transferi-la ou compartilhá-la.
Abortar não vai tirar o trauma do estupro, vai apenas adicionar outro, pois o aborto é, sem dúvidas, um processo traumatizante física e psicologicamente. Sem contar que existem métodos de adoção para amparar a família e a criança.
E mesmo se tirasse o trauma, o bebê não é o culpado e não pode ser punido. E, claro, a máxima incontestável: A vida começa na fecundação. Não se tira uma vida inocente para nada.


3) RISCO DE VIDA PARA A MÃE E/OU BEBÊ
Quando alguém está, por exemplo, com um câncer terminal, com previsão de mais alguns meses de vida, é lícito matá-lo já que ele vai morrer de qualquer forma? Não! O mesmo quando o bebê corre risco de vida (malformação, por exemplo). Caso de morte provável não é justificativa para antecipá-la (nada é).

Risco de vida para a mãe é um dos casos mais polêmicos desse assunto, pois o aborto salva a vida de uma pessoa. Porém, a troco de outra. Isso é certo?
Digamos que alguém esteja num hospital, precisando urgentemente de um transplante cardíaco, caso contrário vai morrer em poucas horas. No outro lado do corredor tem um paciente com câncer terminal fazendo quimioterapia, restando-lhe aproximadamente 3 meses de vida. Seu coração é saudável e 100% compatível com o da primeira pessoa. O mesmo hospital é especializado em cardiologia e transplante de coração, com cirurgiões prontamente à disposição. Porém, não existe coração disponível em nenhum local (nem mesmo do país). Pergunto: alguém pode matar aquele indivíduo que está com câncer, sem ao menos perguntar, para pegar e transferir seu coração e salvar a vida do primeiro? Óbvio que não! Mesmo para salvar uma vida, não é lícito tirar outra. E perceba que, no caso em que citei, os dois já iriam morrer. Que é o caso de aborto, analogamente, em que não só a mãe, mas o bebê também iria morrer. Porém, concluímos que não é certo tirar a vida de um para salvar o outro, ainda que o primeiro já esteja em processo de morte, pois é uma ação, uma interferência contra uma vida alheia.
A ação de tirar uma vida para salvar outra é um grande sinal de falta de empatia, que é uma característica de psicopatia.

E, claro, a máxima incontestável: A vida começa na fecundação. Não se tira uma vida inocente para nada.


4) LEGALIZAR IRÁ DIMINUIR/FAZER COM QUE SEJAM SEGUROS
Esse, na minha opinião, é o pensamento mais ridículo e deficiente de todos.
Não se legaliza algo para diminuí-lo. Legalizar é compactuar com a legalidade, admitir uma licitude naquela ação. Ora, se você acha que é legal, por que quer diminuir? Uma contradição, não?
Fazer com que sejam seguros também não irá, magicamente, fazer com que seja lícito ou moral. E continua sendo contraditório apoiar algo errado, independentemente dos resultados.
O tráfico de órgãos é proibido, mas muitos traficantes morrem nesse mundo por disputas entre facções. Por que não legalizamos isso para ninguém morrer mais?
Entende que isso não faz o menor sentido?
E, claro, a máxima incontestável: A vida começa na fecundação. Não se tira uma vida inocente para nada.


5) MAIS ALGUMAS "DESCULPAS" PARA MATAR
Alguns dizem que até um certo ponto pode abortar, pois o bebê não vai sentir dor por não ter o sistema nervoso completamente desenvolvido. Posso anestesiar uma pessoa e matá-la? Garanto que não vai sentir dor.
Alguns dizem que pode em um certo ponto porque o bebê está inconsciente. Posso esfaquear alguém que esteja em coma reversível?
Outros dizem que ainda não é humano. E é o quê? Um rinoceronte?
Dizem, também, que em um certo ponto pode porque ele não está completamente desenvolvido, já que precisa da mãe. Então podemos matar pessoas que estão ligadas a alguns aparelhos, como ventilador mecânico...
O aborto é legalizado em algumas situações no Brasil. Mas a lei humana não é 100%. Ser legal nem sempre quer dizer ser moral. Prova disso é que a escravidão já foi legal.

E, claro, a máxima incontestável: A vida começa na fecundação. Não se tira uma vida inocente para nada. Qualquer caso novo que apareça, além de perder para a questão moral, perderá para a questão científica e natural.

O aborto não é só um crime (homicídio intrauterino) como também é uma afronta à ciência e ao universo. Ser a favor é ir de encontro a toda a ordem natural.